22 de junho de 2007

BARCELONA!

Um fim de semana de lazer em Barcelona, depois de três dias de trabalho intenso na Universitat Pompeu Fabra e no Consorci de Biblioteques Universitàries de Catalunya.

Sobre o trabalho e as reflexões comparativas entre as bibliotecas universitárias portuguesas e catalãs que a minha estadia suscitou, escreverei noutro espaço. Aqui, para além de várias fotografias, apenas registaremos algumas notas sobre a nossa visita à admirável e cada vez mais cosmopolita cidade de Barcelona, e um apontamento final, um pouco amargo...

Não foi a primeira vez que visitamos Barcelona, e não será certamente a última. Esta visita só confirmou o estatuto de Barcelona como uma das nossas cidades preferidas. Para além de um merecido e necessário descanso, dedicamos este fim de semana a revisitar a obra de Gaudí, o genial arquitecto cuja actividade está intimamente associada à cidade.

Cadeira desenhada por Gaudí (para a Casa Calvet?) exposta em La Pedrera

Ficamos alojados num hotel confortável no bairro de Gràcia (que até ao final do século XIX constituía um município autónomo de Barcelona). É uma zona muito agradável da cidade, a Norte do Paseig de Gràcia (a via que a ligava a Barcelona) onde se nota uma vida própria, sem grandes invasões turísticas (como acontece mais a sul, entre o Paseig e o mar), com muito comércio de bairro, edifícios bonitos e bem conservados e um ambiente tranquilo.

Casas na Carrer Gan de Gracia

Outra casa na Carrer Gran de Gracia

Na sexta-feira ao fim da tarde e noite passeamos pelo Passeig de Gràcia e a Plaça da Catalunya, e o cosmopolitismo de Barcelona é desde logo evidente. Gente de todas as raças e de todas as partes do mundo, de todas as tendências e "tribos" estéticas, turistas e nativos, emigrantes ou estudantes temporariamente em Barcelona, as lojas de marcas internacionais ou catalãs, e muita, muita, criatividade nas montras, nos produtos e nas pessoas....

Depois de um jantar no Citrus Restaurantus (que recomendamos), de regresso ao hotel, estava a ser rodado um filme japonês junto à Casa Batlló, no qual deveremos aparecer como figurantes. Após termos sido filmados, paramos uns momentos a observar as filmagens, e desde logo iniciamos uma conversa com outra transeunte "mirone": uma chinesa (a viver nos Estados Unidos), professora universitária, que tinha acabado de leccionar em Madrid, que também estava a fazer um fim de semana em Barcelona, e a quem aproveitamos para pedir umas dicas sobre a China...

O dia de sábado foi quase integralmente dedicado a Gaudí. Começamos por visitar a Casa Milá, La Pedrera como é conhecida, quando o dia ainda fazia "caretas" e chegou a chuviscar.

Chaminés no terraço de La Pedrera

Mais chaminés no terraço de La Pedrera


Depois visitamos a Sagrada Família onde, para além do edifício que já conhecíamos, visitamos uma exposição muito interessante sobre a influência da Natureza (as formas vegetais e animais) na obra de Gaudí. Já sabíamos que a Natureza era um elemento inspirador do arquitecto catalão, mas não nos tínhamos apercebido da profundidade e extensão dessa inspiração natural.

Torres e guindastes convivem (e conviverão por muitos anos...) nos céus da Sagrada Família


Pormenor de grupo escultórico na Fachada da Paixão

Nave central da Sagrada Família

Depois dessa aprendizagem sobre a Natureza na obra da Antoni Gaudí nada melhor que visitar o Park Güell, um projecto imobiliário falhado do grande mecenas de Gaudí, Eusebi Güell.

A torre do edíficio na entrada do Park Güell e vista de Barcelona


A Fonte do Dragão, um dos ícones do Park Güell

Vista da Casa-Museu Gaudí no Park Güell


Cama da Antoni Gaudí, na Casa Museu

Jardim no Park Güell

Finalmente fomos visitar o Palau Reial de Pedralbes e a Quinta Güell (também de Gaudí), ambas próximas da residência universitária onde tinha ficado alojado durante os dias de trabalho.

Portão da Quinta Güell, desenhado por Gaudí, em Pedralbes

Tínhamos reservado a tarde de domingo para visitar Montjuic e o Museu Nacional d'Art de Catalunya. Não nos tinha passado pela cabeça que os museus em Barcelona estivessem fechados ao domingo à tarde, e por isso nem verificamos os horários. Quando chegamos à porta do MNAC, pouco depois das duas da tarde, ficamos estupefactos por encontrar o museu fechado... e nada mais nos restou do que aproveitar a magnífica vista sobre a cidade que se desfruta junto ao MNAC, visitar Montjuic (onde começavam a chegar os adeptos do Espanyol para o jogo que se disputava no Estádio Olímpico) e voltar a descer para a cidade.

Vista sobre Barcelona, com a Sagrada Família, junto ao MNAC

Um dos muitos habitantes de Montjuic...

O fim da tarde foi passado a percorrer a zona marítima, o Bairro Gótico, com passagem pela Plaza Sant Jaume, a Catedral e a zona de Santa Maria del Mar (onde existe uma igreja muito bonita).

Palau de la Generalitat

Carrer del Bisbe


Igreja de Santa Maria del Mar

Igreja de Santa Maria del Mar

Depois de um bom jantar no Senyor Parrellada (outro restaurante que recomendamos), fizemos nova caminhada até ao hotel. Em alguns bares amontoavam-se, no interior e exterior, grupos de pessoas que viam o jogo do Real Madrid, que esteve empatado até pouco mais de 10 minutos do fim, o que permitiria que o Barça fosse campeão. Como o Real Madrid marcou e venceu (ainda se ouviram alguns festejos num dos restaurantes da Rambla), não houve a festa de rua desejada.

A Rambla e a Plaça de Catalunya estavam quase em "estado de sítio", com centenas de polícias, Mozos de Esquadra, polícias de choque, carros de intervenção e um helicóptero que sobrevoava o centro da cidade desde o final da tarde. Ao que parece, todo este aparato era por causa de uma manifestação de jovens "ocupas"...

Depois, já no bairro da Gràcia, foi a tranquilidade habitual, para despedida da cidade. Até uma próxima oportunidade de a revisitar, que esperamos não seja num futuro distante!

------------------------------------------


Mudando de assunto...


O apontamento final, um pouco amargo é sobre a emigração e a imigração. Num almoço com o administrador da UPF (pessoa que trabalhou muitos anos no munícipio de Barcelona sendo um dos responsáveis pela renovação da frente marítima para os Jogos Olímpicos de 1992) ele referiu, como aspecto positivo (apesar dos problemas que obviamente também provoca), que a Catalunha recebeu mais de 1 milhão de imigrantes desde os Jogos Olímpicos, facto responsável pelo aumento da população na região e indicador de prosperidade económica.


Num dos dias seguintes, num debate na televisão da Galiza, ouvi um dos participantes associar a prosperidade económica de algumas regiões de Espanha (como a Catalunha) à imigração (queixando-se que a Galiza não conseguia atrair e fixar imigrantes).



Há pouco mais de um mês viajamos de Ourense para Guimarães (via Chaves), num domingo ao final da tarde. Nesse percurso, viajando no sentido contrário em direcção à Galiza, cruzaram-se com o nosso carro, ou vimos paradas em estações de serviço, cruzamentos ou portagens, dezenas de carrinhas de 9 lugares, apinhadas de homens e sacos de viagem, cujo destino seria certamente uma qualquer obra de construção civil no norte de Espanha.



Não gosto de simplismos demagógicos, mas o que isto diz sobre a situação de Portugal, sobre a evolução da situação económica e social nos últimos anos é mais eloquente e mais significativo do que muitos discursos políticos ou análises estafadas dos fazedores de opinião nacionais.


O que isto diz sobre o Portugal do início do século XXI deixa-me um pouco descrente, envergonhado... e com vontade de emigrar!!!!

1 comentário:

Paulo disse...

temos que ter esperança que um dia seja diferente; claro está que será pelo povo português e não por aqueles que (des)governam o nosso país.